a vida é mais, antes de ser mãe eu não sabia que..., Da poesia da vida, Do cotidiano, tempo escasso

Sei lá…

A pessoa some, o blog faz um ano, o blog está de cara nova e nada, nada da dona do estabelecimento passar por aqui.

Pois é, “sumo não nego, volto quando puder” meu lema atual. Mas falando sério agora… Todos passamos por algumas fases na vida, fases essas que exigem uma certa reclusão, uma certa introspecção. Todo mundo tem seus altos e baixos, seus lutos reais e simbólicos, sua buscas, enfim… todo mundo tem seus momentos de aquietar-se e pensar na vida.

E cá estou eu numa fase de pensar e repensar, de rever conceitos, fórmulas, de rever minha vida, de aceitar o inevitável, de vislumbrar o novo, de renovar esperanças, de arrumar a casa e o coração. Em tempo, casamento e filho vão muito bem, obrigada! Eu falo de questões mais primordiais, aquelas que a gente empurra pra debaixo do tapete sempre que aparecem, mas uma hora a vida cobra postura, cobra resolução, cobra mudança. E ai, que preguiça tratar dessas coisas! Que doloroso até, tratar dessas coisas.

Então, que para viver tudo isso, a gente precisa dar aquele mergulhão na alma, mesmo sem saber o que vai encontrar pela frente, e mesmo sem saber como é que a gente vai voltar de lá.

Assumir riscos, chorar as perdas, sair mais forte, conhecer-se mais de tempos em tempos… ou seja, estou até o pescoço no processo que costumamos chamar de vida.

Como já dissse o poeta, a vida tem sempre razão.

*********

Tomás aprendeu muitas coisas em pouco tempo. E é ao mesmo tempo bárbaro e assustador, ver o que uma pessoinha como ele já conquistou e conquista diariamente. Aprendeu a dizer não, meu pequeno. Seja esse não falado, gesticulado, ou simplesmente demonstrado, o não dele é convicto.

Como por exemplo, para trocar fralda: Tomás, você fez cocô? E ele faz não com o dedinho. Tomás, fez sim! Vamos trocar. E ele faz não com o dedinho. Tomás, vem pegar a fralda com a mamãe. E ele faz não com o dedinho. E então eu vou até ele, explico que é preciso trocar sua fralda, e ele, sob grandes e escandalosos protestos, se torna um S em meus braços. E vai aos prantos até o quarto, para parar de chorar assim que vê um simples cotonete.

Entre nãos e muitas outras coisas, meu pequeno aprendeu a dar pitis, barracos e siricoticos. E a mãe aqui, tem aprendido que o pequeno está crescendo, e que a cada dia que passa, esse pequeno tem colocado a sua vontade no mundo, vem se conhecendo, se afirmando. E a mãe aqui tem percebido que o pequeno pede autonomia, e que o pequeno, cada vez mais, vai se tornando indivíduo. E a mãe aqui não esperava que fosse tão rápido, e não queria, pra ser bem sincera, que já fosse acontecendo.

Mas já disse o poeta, não há nada sem separação.

*********

E nessa de ver o filho crescendo, eu me deparei com a realidade de que agora eu sou mais que uma cuidadora. Eu sou uma educadora. Eu e João somos agora pais com p maiúsculo. Agora, não dá mais pra “só” cuidar, trocar, limpar, alimentar… agora é hora de colocar limites, de estabelecer regras, de dar exemplo…

Tomás está numa fase de querer tudo no agora. Não existe amanhã, nem depois. Ele quer, e quer agora. Então, que num desses pitis, querendo com uma urgência, o que para mim não passava de bobagem, eu pedi a ele CALMA, Tomás! E me dei conta, que a calma que eu pedia era para mim mesma.

É claro que como mulher adulta, sei que nem tudo pode ser agora. Mas apenas aprendi nesses 30 anos de vida (quase 32, vai) a esperar, a ser paciente sem chilicar. Por dentro, a ansiedade me come, me devora, meu peito explode. E tem dias, que seu pudesse, eu gritaria muito, e sapatearia muito, e bateria minha cabeça na parede, e diria que eu queria muita coisa agora. Nem amanhã, nem depois… E a vida, nesses dias, me pediria CALMA, Gabriela!

Como mãe, eu preciso reconhecer as urgências do meu filho não como bobagens. Mas também não posso supervalorizar suas querências. É preciso esperar, é preciso aprender a esperar. É preciso aprender que o mundo não gira ao seu redor, nem só para ele, nem quando ele quer. É preciso aprender que tem hora para o sim, e hora para não.

Mas já disse o poeta, não se afobe, não, que nada é pra já.

*********

Mas apesar das dificuldades, da seriedade da nossa missão como pais, tem dias que eu gostaria de congelar o Tomás. Tem dias que eu gostaria que ele ficasse assim, meio bebezão, meio menino. Tem dias que eu agradeço por me sentir tão mais à vontade ao lado do Tom, tem dias que a fofura é tanta, que nem dá pra saber onde vai tanta alegria, tanto carinho, tanto bem querer no coração.

E vou falar uma coisa, se me permitem… no quesito filho a gente faz tanta merda, mas tanta merda, e apesar delas a coisa engrena, a coisa floresce, a gente cresce sozinho e junto com o filho. E a sensação de estar crescendo, de estar aprendendo, te dá forças, te renova, te faz querer mais daquilo que você nem sabe o que é.

E em alguns dias, (não todos, claro) você levanta da cama com vontade, com disposição para o que vida pede, impõe, cobra… Você levanta com disposição para se enfrentar, se conhecer, se superar se preciso for…

Pois como disse o poeta, só sei que é preciso paixão.

*********

Gracias , muchas gracias à Flavia querida, a responsável pela cara nova do blog. Eu adorei!

Anúncios

11 thoughts on “Sei lá…”

  1. Gabriela,

    Compreendo beeeem o que vc disse sobre o mergulho na alma. Tem dias, semanas, épocas, em que precisamos parar tudo, frear o carro, deixar as cosias mais em slow motion e entender o que se passa, entender o pq de algumas atitudes, de certos raciocínios, de muita filosofia. Concordo.
    Acho justo.

    Pare sempre para repensar, sempre que vc precisar. É muito útil.

    Como disse o poeta, é bom demais (eu tô inventando um poeta aqui, tá?)!

    E a Flávia acertou, o seu blog ficou muito bonito!!!!!

    Beijos!

    Curtir

  2. Que post mais lindo!

    Quanta poesia e quanta verdade…

    Ando numa fase de muitos questionamentos com essa difícil tarefa de educar… mas como você mesma disse, apesar de todas as merdas que inevitavelmente a gente faz, consciente ou não… A coisa engrena. Que sorte!

    beijo grande

    Curtir

  3. Que LINDO o blog, que lindo o texto! Amei o carrinho embaixo dos posts, menina! E as cores também! Parabéns pra Flávia e pra vc pelo aniversario do blog!

    Eu também tenho minhas fases de introspecção e sempre que volto pro “mundo” me sinto renovada. Esses períodos de reflexão são essenciais.

    E que gracinha do Tomás! Imaginei o dedinho dele falando nao. Da uma saudade de ver eles crescendo, mas ao mesmo tempo é bom!

    Beijos, querida!

    Curtir

  4. Oi Gabriela,
    Que saudades! Que bom que voltou… até deu notícias no meu blog, né?
    Como andam as coisas? Quando puder me escreve novamente.
    Quanto ao layout ficou maravilhoso! Parabéns pela parceria com a Flávia.
    E essa reflexão, me explica???? rs rs rs Amei! Está certíssima sabe, tem hora que precisamos dar um tempo para nós, ficarmos mais reservadas pensando nos inúmeros aspectos da vida.
    Quanto ao Tomás é uma descoberta a cada dia para ele e uma surpresa para nós.
    Espero que esteja bem! Um grande beijo.

    Curtir

  5. É Flavita, educar não é nada fácil. Mas as coisas andam… pra bem ou pra mal rsrs. Brincadeira.

    No seu caso, a expressão, modéstia à parte, cabe muito bem! Ficou tudo muito lindo, e pode se gabar mesmo!

    Grande beijo!

    Curtir

  6. Eu também adorei o carro no fim da postagem! Aliás, eu a-do-ro esse fusquinha :-)!

    Essas fases são essenciais para nossso crescimento, nosso auto-conhecimento. Nem sempre são fáceis, mas são de grande importância.

    Beijo grande, Lu querida.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s