Sem categoria

o inferno são os outros

Ou: onde se encontra empatia no mundo de hoje?

Sabe de uma coisa? Nessa minha nada longa vida de mãe eu já li muitos livros sobre maternidade e criação de filhos. Você também, aposto. É que existem muitos livros das mais variadas vertentes, passando pelo adestramento nazista, até a linha do amor nunca é demais. Cuja linha, particularmente, sou adepta e muito simpática.

talvez seja um sinal dos tempos em que vivemos, os números tendendo ao incontável, de livros sobre o assunto. Ė verdade que somos uma geração muito mais exposta à informação que nossos pais, assim como é verdade também,que a sociedade, as famíllias, os papéis e também as crianças mudaram.

e para suprir novas demandas, novas formas de viver, juntamente com novos desafios ao criar/educar uma criança, que tanto se fala e se escreve sobre o assunto.  haja visto o tanto não só de livros, como tambèm de sites, blogs, artigos, portais sobre maternidade/ paternidade. e tudo isso nas mais variadas línguas; passamos, ao que parece, por um momento globalizado de repensar não só a gravidez, o parto, a maternidade/ paternidade, como também a infância de nossos filhos, para que sejam adultos conscientes de si mesmos, da sociedade, do planeta em que vivem, para que sejam gente do bem entre outras coisas.

mas se tem uma coisa que parece não mudar é o fato de criança fazer birra. não importando se brasileira, alemã, inglesa, francesa… o que muda é a personalidade de cada criança, somada à forma que os pais lidam e conduzem a birra, aliada à maneira que outros dentro do círculo de convívio reagem à elas.

segundo todos os livros e artigos que li sobre o assunto é bom que assim seja. acredite, eu acredito nisso. embora nem sempre seja tão agradável saber que meu filho testa os seus, e sobretudo, os meu limites. embora ser firme, convicta e amorosa ao mesmo tempo custe forças que pareço, às vezes, não ter. embora muitas vezes eu tome decisões baseadas no que as pessoas estão pensando, porque criança birrenta é algo intolerável na nossa sociedade.

dia desses eu estava na fila do supermercado. e aqui na alemanha nos supermercados já é natal. e são incontáveis chocolates em forma de papai noel, dos mais variados cores e tamanhos entre outras tentações para qualquer criança pequena. e o mais interessante, todos ficam na boca do caixa, na altura de uma criança pequena. perverso, para dizer o mínimo.

então que meu filho de quase quatro anos me pede um chocolate x em forma de rena. não, eu disse, hoje não é dia de chocolate, lembra? obviamente meu não foi interpretado como uma condenação à forca, como a maior das injustiças já por mim praticadas. e o show começou. a fila atrás de nós só crescia, assim como o descontentamento do meu filho.

assim como li nos livros, me abaixei, ficando assim em sua altura, pedi para ele se acalmar, esperei pelo contato visual, reconheci seu desejo pelo chocolate, e permaneci firme em meu não. não adiantou. choros, lamentos, ranger de dentes e um vale de lágrimas. a caixa de supermercado, as pessoas na fila e eu tivemos de “suportar” até eu pagar e empacotar as compras. e eu sozinha, tive de aguentar os olhares censuradores e expressões de como é que você não consegue fazer esse menino parar de chorar e gritar?

e não, não adiantou ir com uma lista pronta ao supermercado e participar meu filho de cada compra,  fazê-lo me ajudar e tudo mais. e não, não são só as crianças “mal-educadas” e sem limites que fazem birras. toda criança fez, faz e fará. e eu repito, é bom que seja assim. especialmente para a criança que está aprendendo. inclusive sobre limites; os próprios e os alheios. e sim, esse é o único jeito para aprender.

eu fiquei vermelha de vergonha. e preciso confessar que sempre fico quando as birras acontecem publicamente. e esse dia foi especial em dois sentidos: um, porque meu filho caprichou no show, sendo minha vergonha diretamente proporcional ao seu escândalo. E dois, porque naquele dia eu dei um basta para mim mesma. e não, não foi no meu filho. eu prometi nunca mais sentir vergonha do meu filho por um comportamento absolutamente normal. eu aprendi que algumas coisas na maternidade não exigem desculpas, apenas aceitação.

eu já li muitos livros bons sobre maternidade e criação de filhos, mas acho que anda me faltanto mesmo é ler um livro cujo título seja cinquenta tons de estou cagando e andando para você que me julga quando meu filho está sendo apenas o que ele é, ou seja, uma criança.

Se você já fez isso, já censurou, já julgou, já pensou que no lugar da mãe bastava um bofetão na criança, eu gostaria de lhe dizer: abra a sua mente, mãe também é gente, criança também é gente.

e aí? alguém mais pra ler esse livro comigo?

Anúncios

8 comentários em “o inferno são os outros”

  1. Só fiz isso uma vez na vida com minha mãe…te garanto…Não concordo contigo, às vezes uma palmada bem dada tem seu lugar….Não me importo com o mimimi da criação com apego, funciona muito bem e não traumatiza ninguém….

    Curtir

    1. Olá The, obrigada pela visita e pelo comentário aqui no blog. Opiniões divergentes serão sempre bem-vindas, ainda mais quando são feitas de forma tranquila e sem ofensas, como no seu caso. Mas eu tenho que discordar de você nesse ponto. Palmada não educa, machuca. Abraços

      Curtir

  2. É difícil mesmo lidar com a birra… mesmo as crianças mais velhas fazem, assim como aqueles adultos que tem muito quê de criança (o que muitas vezes é bom, não é mesmo?)… mas pior que isso, concordo em gênero, número e grau, são mesmo os outros! Mas como meu marido diz, “se o outro não entende o que se passa, é porque não cruzou tantas pontes quanto eu”. E dai que, além de termos paciência com os birrentos, temos também que ter com esses outros.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Oi Gabi, td bem? Está coberta de razão. As birras fazem parte, as crianças fazem mesmo, faz parte da infância e só os pais conhecem. Temos mesmo que seguir nossos princípios, agirmos conforme acreditamos que seja melhor para o nosso filho. As pessoas olham, comentam… Deixamos elas de lado, ignoramos mesmo! Mas é impressionante como nessa situação as pessoas ficam incomodadas e nos punem apenas com o olhar… Ai que medo, mas quer saber, ignoramos todas! Beijos

    Curtir

  4. Oi Gabi, td bem? Está coberta de razão. As birras fazem parte, as crianças fazem mesmo, faz parte da infância e só os pais conhecem. Temos mesmo que seguir nossos princípios, agirmos conforme acreditamos que seja melhor para o nosso filho. As pessoas olham, comentam… Deixamos elas de lado, ignoramos mesmo! Mas é impressionante como nessa situação as pessoas ficam incomodadas e nos punem apenas com o olhar… Ai que medo, mas quer saber, ignoramos todas! Beijos

    Curtido por 1 pessoa

  5. É isso mesmo. Estou cagando a andando para o que os outros estão pensando. E, me desculpe, ” The”, mas que tremendo absurdo tu escreveste acima. Por essa e por outras, temos milhões de adultos que foram criados com palmadas, com criação desrespeitosa, com agressões e humilhações e, hoje em dia, são dependentes de remédios para ansiedade, antidepressivos, além de serem inseguros e infelizes. Uma criação respeitosa e com apego, dá trabalho sim, mas criamos seres humanos mais felizes, seguros e bem resolvidos. Tenho uma filha de 3 anos e 9 meses e um filho de 1 ano e sim, eles fazem birra, mas explicamos, dialogamos e principalmente, ouvimos e acolhemos eles quando acontecem essas situações de birras e explosões. E posso dizer que, com a minha mais velha, isso é cada vez mais raro. Temos que aprender que crianças são seres humanos e não robôs ou animais em adestramento!

    Curtido por 1 pessoa

  6. Eu já tenho medo dessa fase, sabe?!
    Medo de como vou reagir, de onde vou tirar paciência e medo de não conseguir apertar esse botão do “foda-se” que vc descreveu tão bem!!
    Enquanto não chega a hora da prática, me divirto e aprendo com vc e o Tom!! 😉
    Beijo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s