aniversário, Da poesia da vida, mudança, mundo afora

sobre o mês de junho e um poema por semana #2

mas meu deus do céu, não! esse meu projeto está mais para um poema por ano do que por semana, não é não!? mas vamos que vamos, agora retomo com todo prazer aquilo a que me propus.

bom, tudo sempre tem um motivo, e o motivo que fez ausentar-me daqui foi uma mudança de casa. mudança essa que começou no mês de maio e que concluiu-se  neste mês de junho.

a casa escolhida deu mais, muito mais trabalho do que o esperado. ela nos consumiu bons fins-de-semana em família, e muitos outros dias meus apenas. eu, quando entrei na casa, de cara vi que ela daria trabalho, mas eu vi mais do que trabalho ali: eu vi um potencial lar. e me apaixonei por ela. mas como joão gilberto já cantou: o coração tem razões que a própria razão desconhece.

e assim, baseando-me pura e simplesmente no meu coração, escolhi essa casa em que agora habitamos e que já muito amamos. apesar do trabalho que ela ainda nos dá, veja só.

img_20160602_151809.jpg
amor à primeira pisada

mas o tempo passou, o que parecia nunca se ajeitar, deu-se um jeito ou ajeitou-se. nossa casa está com cheiro de casa, cara de casa, vida de casa. e anda difícil mesmo é sair de casa.

img_20160624_110204.jpg
e ando encantada com cada novo canto. plus eu tenho duas roseiras para chamar de minhas

mas o mais legal para mim é que eu completei primaveras na nova casa! e nesse aniversário eu tive muito para agradecer. e só de me lembrar que eu ficava triste nos meus aniversários… haha. o bom de amadurecer, eu acho, é que a gente vai cada vez mais dando valor ao que realmente importa para nós. e a gente vai descobrindo cada vez mais, o que realmente importa.

pois bem, completei anos na casa nova. e fiquei muito feliz pelo ano que se passou e mais ainda pelo novo ano que tenho pela frente!

img_20160624_110122.jpg
moi: the birthday girl. repara só na toalha amassada tirada da caixa de mudança especialmente para a ocasião (mentira, foi a primeira que achei na caixa)

e esse meu junho tem sido muito especial. eu amo o mês de junho! faço anos, é o mês de festa junina (aliás, para o ano que vem já prevejo uma baita festa junina por aqui), mês dos festejos que mais gosto! e porque é verão por aqui, e até sol e calor eu tive no meu aniversário (abafa o fato de ter chovido os sete dias posteriores a ele).

junho só não foi melhor porque hoje recebemos a notícia de que o uk resolveu sair da união européia. só lamento que no mundo de hoje as pessoas insistam em reforçar fronteiras que nos separam, e insistam com seus discursos conservadores, com argumentos sofistas e pouco agregadores. mas what happened is happened.

because it’s june june june! hahaha amo

mas apesar de toda alegria, toda mudança e todo trabalho dela resultado, aniversário é tempo de reflexão para mim. tempo de olhar com carinho para mim mesma, de reorganizar algumas coisas, de realinhar outras, de traçar metas, de ver o que tem funcionado, o que precisa mudar e o que precisa ficar. e nesse espírito de reflexão, o poema que me vem à mente, e que me caiu como uma luva foi um poema tão, mais tão especial e tão belo, que às vezes, chega a me faltar o ar ao recitá-lo: degraus (stufen) de hermann hesse.

e esse ano ao relê-lo não pude conter as lágrimas. diz tanto de mim e diz tanto da vida. e nesse espírito de novos começos (casa, ano…) eu me rendo aos seus encantos, mas sempre disposta a recomeçar se preciso for, porque “o apelo da vida nunca tem fim”.

e não me atrevo a dizer mais nada, para preservar toda beleza do poema de hesse. ei-lo aqui:

Degraus

Assim como toda flor perde o viço e como toda juventude

Cede à idade, floresce cada degrau da vida, 

Floresce toda sabedoria também e toda virtude
A seu tempo, e não pode durar para sempre.
O coração deve, em cada chamado da vida,
Estar pronto para a despedida e para o recomeço,
Para se dar, na valentia e sem qualquer
Luto, a outras novas ligações.
E em todo começo reside um encanto próprio
Que nos protege e nos ajuda a viver.

Transponhamos serenos espaço a espaço
E a nenhum nos prendamos qual a uma pátria.
O espírito do mundo não quer nos atar nem comprimir,
Ele quer elevar-nos degrau a degrau, alastrar-nos.
Mal nos habituamos a ser íntimos
De um ambiente, ameaça o relaxar-se.
Só quem está pronto para partir e viajar
Poderá eludir o hábito paralisante.

Acaso a hora da morte ainda nos envie
Ao encontro de novos espaços,
Jamais há de cessar o clamor da vida por nós…
Eia, pois, coração, despede-te e convalesce!

Hermann Hesse (1877-1962), Alemanha
in “O jogo das contas de vidro”, trad. de Thessalonian (transtrazendo.blogspot.com)

Stufen

Wie jede Blüte welkt und jede Jugend
Dem Alter weicht, blüht jede Lebensstufe,
Blüht jede Weisheit auch und jede Tugend
Zu ihrer Zeit und darf nicht ewig dauern.
Es muß das Herz bei jedem Lebensrufe
Bereit zum Abschied sein und Neubeginne,
Um sich in Tapferkeit und ohne Trauern
In andre, neue Bindungen zu geben.
Und jedem Anfang wohnt ein Zauber inne,
Der uns beschützt und der uns hilft, zu leben.

Wir sollen heiter Raum um Raum durchschreiten,
An keinem wie an einer Heimat hängen,
Der Weltgeist will nicht fesseln uns und engen,
Er will uns Stuf’ um Stufe heben, weiten.
Kaum sind wir heimisch einem Lebenskreise
Und traulich eingewohnt, so droht Erschlaffen,
Nur wer bereit zu Aufbruch ist und Reise,
Mag lähmender Gewöhnung sich entraffen.

Es wird vielleicht auch noch die Todesstunde
Uns neuen Räumen jung entgegen senden,
Des Lebens Ruf an uns wird niemals enden…
Wohlan denn, Herz, nimm Abschied und gesunde!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s