Do cotidiano, mãe zen, mundo afora, parto, uk, Violeta

um breve relato do que foi e do que tem sido

Violeta já tem nove semanas,e parece que foi ontem mesmo que a segurei em meus braços pela primeira vez. 

e parece que foi ontem mesmo, depois de cinco horas de parto ativo, sendo duas de expulsivo e uma cesárea de emergência,  que eu finalmente conhecia a minha menina.

nunca pensei que faria parte das estatísticas das cesarianas que salvam vidas, ainda mais após um primeiro parto vaginal, onde fisiologicamente foi tudo perfeito. ninguém esperava. nem eu, nem João, nem as midwives, nem os médicos. mas fizemos parte.

e tê-la em meus braços depois de toda minha Via Crucis foi a maior e melhor sensação de alívio da minha vida. 

tem sido uma delícia amamentar novamente. ela não é tão gulosa como era seu irmão, mas ainda assim mama bastante, a minha pulguinha.

aliás, tem sido uma delícia ter um bebê de novo em casa.

Tomás está apaixonado pela irmã e tem se saído muito bem como irmão mais velho. tivemos alguns dias de choro, uma sensibilidade maior, mas tudo foi se ajustando e ele agora não tem sentido mais as mudanças na sua rotinininha. 

eu estou ótima físicamente, jamais esperava me recuperar tão rápido como me recuperei. emocionalmente então, nem se fala.  eu que experimentei uma depressão pós-parto da primeira vez, sei hoje o que é estar bem depois da chegada de um filho.

e eu não tenho tido tempo de passar por aqui por motivos bastante óbvios: quando Violeta dorme eu tenho que escolher entre lavar a louça ou a roupa, ou tentar arrumar a casa, ou comer ou tomar banho, ou ir ao banheiro… e quando me dou conta, já é hora de buscar o Tom na escola.

por falar em escola, vem “ni mim” férias de verão! é só o que penso.

e é isso, por ora, o que tenho para dizer. Vivi dorme há meia hora, e antes que ela acorde para mamar, vou lá lavar uma louça.

mas volto pra relatar com detalhes o nascimento da Vivi. Alguém ainda se interessa por relato de parto?🤔

beijos nossos e até o próximo post.

aguenta coração, Da poesia da vida, gravidez, mundo afora, segundinho, uk

30 semanas

cheguei à trigésima semana, e quero deixar aqui registrado o quão chocada eu estou com a rapidez que esta gravidez tem passado. serião!

se a bebê tiver pressa como o irmão, que cutucou a bolsa e resolveu sair com 38 semanas + 3 dias, eu confesso um leve desespero. 8 semanas restantes, na velocidade em que o mundo tem girado, é praticamente depois de amanhã!

exageros (e desesperos) meus à parte, minhas preces são para que ela espere o mês de março dentro do forninho. março será um mês cheio de acontecimentos por aqui, e por isso mesmo, seria otimo se ela esperasse minha mãe chegar do brasil, e mais ainda, esperar o joão voltar de viagem. porque parir sem anestesia eu aceito, mas sem marido já é demais.

até aqui a gravidez tem sido super tranquila. a barriga deu um boom, e tenho tido insônia (o que é um ultraje, visto que depois que a bebê nascer dormir não será uma opção no começo), mas apesar da insônia tenho me sentido disposta.

a lista de preparativos para antes da chegada dela caminhou a passos lentos (devido à uma gripe terrível que derrubou o filho, o pai e a mãe. não ao mesmo tempo, mas necessariamente nesta ordem), e ainda assim estou tranquila, uma vez que colocando tudo na ponta do lápis, não falta muito.

falta pouco para conhecê-la e ao mesmo tempo falta muito. percepções e contradições gravídicas. aliás, até aqui nessa gravidez eu fui assim, uma metamorfose ambulante. altos e baixos estados de espírito, emoções à flor da pele, choros porque esqueci de comprar salada… bem diferente da minha primeira, quando eu fiquei constantemente de bom humor e sereníssima; nada me abalava, tudo estava bom. curioso,  não é?

no mais, estou muito satisfeita com minha midwife,  que é muito calma, experiente e atenciosa. e eu queria muito que o universo conspirace a meu favor,  e ela estivesse de plantão justamente quando eu entrasse em trabalho de parto. já pensou que tudo? isso pra mim seria como zerar no tetris da vida.

ando devagar porque a barriga não permite a pressa, e tenho procurado resolver uma coisa de cada vez. riscando item por item da minha to do list. e não existe sensação mais maravilhosa do que ver uma lista com todos os itens ticados. juro que atualizei minhas definições para paz de espírito depois de resolver minhas listas.

e assim segue a vida. e como não posso controlar quase nada, tudo o que me resta é entregar, aceitar, confiar e agradecer. ela que venha no tempo dela, que as coisas aconteçam no tempo que tiverem que acontecer. como já bem disse o leminski: não discuto com o destino, o que pintar eu assino.

pois é, com o destino não se discute. e acho que tem muita poesia nessa aceitação, viu!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

a descoberta do nome, gravidez, mundo afora, segundinho

da difícil (e deliciosa ) arte de escolher o nome da bebê

 

sabe,  quando eu morava em são paulo eu tinha uma faxineira chamada rosália. a rosália um dia me perguntou se eu já sabia o nome do bebê (na época eu estava grávida do tomás). como nós ainda não haviámos decidido o nome dele, eu disse  a ela que não, o bebê ainda estava sem nome.

rosália com toda sua simplicidade me disse que eu precisava escolher um nome bem do jeitinho do seu joão e da dona gabriela. como eu não entendi o que ela quis dizer, ela se explicou dizendo que deveria ser um nome comum, assim como o meu e o do joão, afinal de contas o diferencial do meu bebê já era a sua classe social e o sobrenome que ele carregaria.

o filho dela, por exemplo, se chama kelvin e ninguém mais na escola, ou na rua, ou no bairro tem o mesmo nome do filho dela. porque sabe dona gabriela, joão da silva tem de monte, mas kelvin da silva só tem um.

aquilo me calou fundo.

eu nunca mais me esqueci disso. e ficou claro para mim, que embora todos os pais e mães, em algum momento da gravidez, se ocupem com o tema nome que o bebê receberá, essa “problematização” exagerada, às vezes,  é muito mais uma questão para classe média branca, dentro do modelo família chamado tradicional.

afinal, uma celebridade qualquer escolher um nome diferentão pode ser bacana, mas uma pessoa comum, uma diarista, por exemplo, inovar na escolha, já é coisa de pobre.

juro que antes eu criticava essas pessoas por escolherem grafias pouco usuais, ou combinações de nome nada ortodoxas; afinal, existem várias gabrielas, mas gabrielly, com sorte, só a minha filha. existem outros cléber e outros edson, mas cleberson, só meu filho. e sem juízo de valor aqui, os exemplos são aleatórios, e apenas para explicar meu ponto de vista.

esquecemos que no brasil, infelizmente, ainda existe uma massa analfabeta ou semi-analfabeta*, que provavelmente (isso é uma dedução minha, sem respaldo científico) deve se encantar com a possibilidade de dar ao filho um nome cheio de volteios. eu sei também, que nem todas as pessoas que escolhem grafias duvidosas e/ou nomes nada convencionais, possuem a mesma simplicidade e o mesmo pensamento da rosália. nesses casos eu me pergunto por que um tabelião não orienta a pessoa que vai registrar? será que eles são proibidos de o fazerem? de verdade, eu queria saber. se alguém souber, por favor, me responda.

então, perceba que querendo ou não, nosso nome é nossa assinatura no mundo, e diz muito sobre nossas origens. não só, mas inclusive social.  e não sou só eu que falo isso, não. muitos estudos sobre nomes já foram feitos. por exemplo, na alemanha, alguns nomes já são olhados com preconceito pelos professores, antes mesmo deles virem a conhecer os alunos. o mesmo aqui na inglaterra. não só na escola, como também mais tarde, ao se candidatarem para um emprego.

nome é coisa bem séria. carregar um nome com o qual a pessoa não se identifica ou pior, que a pessoa venha a se envergonhar, deve ser um martírio. nosso nome é como nos apresentamos e como somos conhecidos, não é mesmo?

*********************************************************************

mas o post acabou tomando um rumo muito sério, rumo esse que eu não queria que ele tomasse.

traremos agora uma certa leveza. não saia da frente da tela.eu, por exemplo, tenho um nome que muito me agrada e que acho muito bonito, mas que eu jamais colocaria numa filha minha. o nome em questão é pia, e vem do latim piu, um adjetivo que que dizer piedoso. mas eu tenho certeza que você não pensou em piedade quando leu pia; certamente você pensou em pia como substantivo ou ainda, como flexão do verbo piar.

são nessas horas que a gente para e pensa. a grafia não é nada extraordinária, o significado é bonito (na minha opinião), mas… por razões óbvias acima citadas, é um nome que traria problemas.

eu tentei dar um sambarilove no nome e cheguei a sugerir pina, que é outro nome que me encanta, mas o joão vetou. pô joão, e a pina bausch?

e tem também um nome que eu li pela primeira vez, eu deveria ter uns doze anos. minha mãe sempre assinou aquela revista arquitetura e construção, e eu sempre adorei ler as revistas da minha mãe. naquela edição, de tantos anos atrás, tinha uma reportagem de uma família que reformou um sobrado numa vila em são paulo. a reforma ficou espetacular, até hoje me lembro da cor da casa, da árvore plantada na frente, do jardim…

mas no fim da reportagem, aparecia o casal com os filhos, um menino e uma menina. e o nome daquela menina, fez meu coração sobressaltar. o nome dela era violeta.

embora meu marido seja neutro em relação a violeta, ele não é muito entusiasta. não tanto quanto eu. e confesso que me dá uma dorzinha no peito abrir mão do nome. mas nessas coisas não tem como forçar. ou é o nome da nossa bebê, ou não é. e eu, infelizmente, devo admitir que não parece ser. aguardo esperançosa por uma reviravolta.

*********************************************************************

tem também os nomes vetados, que nem puderam ser mencionados mais uma vez, que tiveram vida muito curta. a saber:

1. joana (joão achou brega ter uma filha joana, sendo ele mesmo joão, humpf),

2. olivia (não sei o porquê desse desgoto com o nome),

3. cora (segundo ele, fora de cogitação. segundo eu mesma, descabidamente).

ah, e tem os nomes que para o maridão além de terem vida curta, entraram na categoria non sense de gabriela. são eles:

  • rosa. gente, qual o problema com rosa? muita gente, inclusive meu marido, diz que rosa é nome de velha. oi? e aurora por acaso não era até trêsantonte? e o que dizer de eva ou joaquim? todo mundo dizia ser nome de gente velha e estão aí, com tudo. e são lindos!
  • florence. eu sabia que ele jamais aceitaria, mas propus mesmo assim. e gosto mesmo. e tenho dito!
  • stella. fala pra mim desde quando stella é non sense? homens…
  • lilly. sem palavras…

emma e lucy também foram excluídos, por serem, segundo ele, muito ingleses.

veja, existe uma dificuldade real, afinal de contas, procuramos um nome que tenha uma grafia simples, e que funcione tanto em português quanto em inglês.

tá fácil, não.

*********************************************************************

deixa eu contar um historinha aqui pra você.

eu sempre tive cadernos onde eu escrevia minhas coisas. não eram diários, eu escrevia sempre que queria, às vezes, mais de uma vez no dia, às vezes ficava um tempo sem escrever.  eu copiava poesias, escrevia as minhas próprias, falava sobre um filme que tinha visto,  uma viagem, um passeio que havia feito, me queixava, me alegrava… enfim, sempre fui de tomar notas sobre minha vida.

os anos se passaram, estava eu já grávida do tomás, bem na reta final,bem barriguda. já havíamos descobrido que o nome dele era mesmo tomás, e então, num belo dia, meus pais foram nos visitar.

minha mãe trazia consigo uma sacolinha cheia desses meu caderninhos da minha infância/adolescência. disse que  havia trazido por não saber o que fazer com eles. se eu quisesse que os guardasse na minha casa, se não, que os jogasse. deixei-os de lado, e passamos o fim de semana conversando, passeando, comendo e descansando. mal sabia eu que seria o último fim de semana sem bebê.

lá pelo meio da semana, eu resolvi dar uma olhada naqueles cadernos antes de jogá-los. e me diverti muito ao reler tanta coisa de tantos anos passados. mas um dos cadernos me deixou perplexa.

era do ano de 1994. eu tinha quatorze anos (entreguei lindamente minha idade agora). e no meio de tantas páginas, em uma delas, eu escrevi assim:

9 de junho de 1994

querido diário, hoje é meu aniversário. hoje eu faço quatorze anos, mas eu queria ser bem mais velha. eu queria viajar o mundo. eu queria ter um namorado.

não faz mal. um dia, diário, eu vou viajar o mundo inteiro. e vou morar na inglaterra.

o meu namorado vai ser muito inteligente e vai querer viajar comigo. eu vou me casar com ele, e nós vamos ter dois filhos. um vai ser menino, e vai ter uma menina também. o nome do menino vai ser tomás e da menina vai ser …..

e a carta continuava.

quando eu li aquilo, eu corri mostrar para o joão. nós rimos muito, mas não pudemos deixar de nos impressionar com o fato do nome do tomás ter sido escolhido aos meus quatorze anos de idade. e juro, juradinho, que não me lembrava disso.  imagina, durante a gravidez o tomás foi miguel, foi lucas, foi tiago, foi téo, foi max…

bom, mas e o nome da menina? pois é, como a gente se lembrava de antemão dessa carta, e portanto, já sabíamos da existência do nome, eu fiquei bastante relutante em colocá-lo na rodada de nomes.

mas, por mais incrível que pareça, é o nome mais forte e mais cotado. não vou dizê-lo agora, porque sou muito influenciável. e por mais que seja o mais forte, ainda não é o definitivo.

ainda falta muito pra conhecer o mundo inteiro, mas muita coisa da minha profecia aos quatorze anos se concretizou. afinal, me casei com meu primeiro namorado, e quando eu disse que ele seria inteligente, eu não imaginva que seria desse tanto que ele é. nem tampouco imaginava que ele não só iria querer viajar comigo, como iria me arrastar para todo canto com ele. na época  em que reli o que havia escrito, a inglaterra não fazia parte nem dos nossos planos mais remotos, e pá…cá estamos. e temos um tomás. e teremos uma menina. ou seja…

agora, se esse vier a ser mesmo o nome dela, eu já posso mudar os rumos da minha vida e me tornar a próxima mãe diná, né nom!

tô até vendo a plaquinha que eu vou por na minha tenda: mãe gabriela. traz amor. traz viagens e descobre o nome do seus filhos. e aí, se anima?

*segundo dados de 2015 do ibope a porcentagem de analfabetos no brasil é de 8,7%. os números chegam a 27% se incluirmos os analfabetos funcionais, aqueles que reconhecem letras e números, mas não conseguem ler e escrever propriamente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

antes de ser mãe eu não sabia que..., dilemas da vida moderna, Do cotidiano, filosofia de boteco, mundo afora, uk

dos ares ingleses e da maternidade compulsória

os ares ingleses não têm sido gentis conosco. desde que chegamos aqui o tomás passou por cinco viroses terríveis. claro que coincidiu com o fato dele ter entrado na escola, e sua convivência com todos os novos vírus que o cercam.

o mais recente deles foi um noro vírus (ou a gripe do estômago) extremamente popular nos meses de inverno por aqui. é o inferno na terra, ainda que por 48 horas. vômitos de hora em hora, roupas de cama, toalhas, paredes e chão carimbados, diarréia, uma criança amuada, e máquina de lavar e secadora trabalhando à exaustão.

nossa senhora da gestação dessa vez não deu conta. achou que limpar tanta sujeira e receber um jato de vômito nos cabelos já era demais, e tirou sua proteção.  resultado óbvio, eu peguei a virose. ontem eu estava só o reboco. acabada era pouco. hoje eu consegui manter uma maça, duas torradas, e líquidos (água, chá, limão com água) no meu estômago.

a despeito de toda escatologia hoje, embora me sentindo fraca, eu sai da cama para ler e aproveitei para dar uma espiada na internet.  e a internet é sempre um campo muito vasto e fértil, não é mesmo?

e foi nesse vasto mundo que eu me deparei com essa reportagem http://estilo.uol.com.br/gravidez-e-filhos/noticias/bbc/2016/12/09/tenho-motivos-para-odiar-criancas-o-polemico-testemunho-de-escritora-francesa-que-se-arrepende-de-ser-mae.htm

abaixo da foto de uma mulher bonita, trajando um maiô, em uma paisagem igualmente bela lemos o seguinte:

A autora francesa Corinne Maier, que tem dois filhos, anuncia para quem quiser ouvir sua opinião de que, no mundo atual, os adultos estão tão obsessivos por seus filhos e tão exaustos por ter de cuidar deles que não têm energia para mais nada.

seu livro cujo título é No Kids: 40 Good Reasons Not to Have Childrenfoi lançado, segundo a reportagem, em 2009 e eu só fui saber dele agora, em 2016. embora se tivesse sabido da sua existência antes, isso não mudaria os meus planos de ter filhos.

mas gostaria de fazer uma análise sobre a proposta da autora. mesmo que correndo o risco de ser injusta, afinal não li o livro, e minha análise será baseada apenas na curta reportagem, ainda assim gostaria de tecer minhas considerações a respeito.

vamos lá. um dos contras citados na reportagem seria a questão da super população mundial …Em 2100, seremos 11 bilhões. Como o planeta vai alimentar todo mundo?” 

este é um argumento que honestamente não me assusta. primeiro porque não é o mundo inteiro que consome no mesmo ritmo que as nações industrializadas. vivemos num mundo absurdamente desigual onde 1 bilhão de pessoas passam fome (segundo o IFPRI, International Food Policy Research Institut https://www.ifpri.org), enquanto 1,3 bilhão de tonelada de tudo que é produzido no mundo é jogado no lixo.  segundo a ONU se esse desperdício fosse reduzido ( veja, reduzido apenas)  seria o suficiente para alimentar… 2 bilhões de pessoas! falta comida mesmo?

eu sei que tem outras questões em jogo, como a água  doce e potável, por exemplo. a água é um recurso finito e muita gente usa como se fosse infinito. talvez eu na minha ingenuidade e no meu otimismo, ache que ao fazer a minha parte (e sei de mais gente que também o faz) o futuro dos nossos filhos não será apocalíptico. acho que ao consumir menos, consumir orgânicos/produtos de produtores locais, usar conscientemente os recursos naturais, evitar o desperdício dentro da nossa casa (coisa que eu evito/luto constantemente), sinceramente acho que é uma saída viável e inteligente. desde que seja consistente, não dá pra adotar tais medidas apenas de vez em quando. é necessário tê-las como um estilo de vida consciente.

ainda sobre este ponto, eu acredito que deveríamos cobrar nossos governantes por planos mais ambiciosos de preservação ambiental, e também, cobrá-los por ações mais concretas a curto, médio e longo prazo. Quantos estão dispostos a fazer isso, não é mesmo? minha pergunta vale para ambos os lados (governo e sociedade).

outro ponto citado foi  Vivemos em uma sociedade obsessiva por crianças. Um filho é considerado uma garantia de felicidade, um desenvolvimento pessoal e até um status social.” sério mesmo que vivemos numa sociedade obsessiva por crianças?  pois eu, na minha perspectiva de mãe acho o contrário, acho que vivemos numa sociedade que exclui crianças dos espaços públicos, que espera que elas sejam mini adultos, que nunca chorem, que nunca incomodem… talvez eu tenha entendido errado a frase dela, mas essa obsessão tal qual eu entendo a palavra, eu não vejo não.

sobre filho ser considerado uma garantia de felicidade, desenvolvimento pessoal e até status social, well… eu não posso dizer os motivos pelos quais os outros quiseram ter filhos, e acredito até que algumas pessoas os tenham por esses motivos  citados por ela. mas no meu caso, honestamente, não foi. eu sei que quando se tem filhos projeções são inevitáveis, mas cabe a cada mãe/pai torná-las conscientes e baixar a bola se for o caso. a minha garantia de felicidade soy yo, não é marido, não é emprego, não é post code, não é jeans 36 e muito menos filho. embora meus filhos me tragam muitas alegrias também; mas não porque eu espero que eles me façam felizes, e sim porque relações próximas e afetivas nos trazem alegrias ( e raiva, e tristeza, e cansaço e outras cositas mas). sobre a questão do status social, pffff… cago e ando, perdoem meu francês.

mas vamos em frente que tem mais. ela diz ainda ” indivíduos que não têm filhos são descritos como egoístas e cidadãos de segunda classe. Muitos deles se sentem pressionados a se justificar: ‘Eu não posso ter filhos, mas eu adoro crianças.’ Quando ouço isso, logo faço um comentário para inflamar a conversa. Algo como: ‘Eu tenho filhos, mas tenho razões para odiar crianças’.”  mesmo que alguém decida não ter filhos por razões egoístas (e defina razões egoístas para mim cara pálida) este alguém está totalmente em seu direito. não vejo filhos como algo compulsório. na vida a gente tem que seguir as leis e pagar impostos (e se você tem filhos você tem que educá-los) de resto não tem que nada não. cidadãos de segunda classe? isso existe? pessoas são pessoas, com ou sem filhos. sobre justificar-se por não ter filhos… acredite, se você os tivesse também teria de justificar-se (por que só um? por que três?  por que não dá um biscoito recheado? e assim vai).

e o crème de la crème para mim foi  ‘Eu tenho filhos, mas tenho razões para odiar crianças’.  olha, nessa minha vida de mãe, eu já desejei sumir no mundo sem avisar ninguém e voltar quando meu filho tivesse 20 anos (provavelmente sentirei isso novamente com o bebê que ainda está na minha barriga). não porque eu odiei o meu filho, mas muito mais porque eu estava exausta, exaurida, perdida, sozinha, sem saber o que fazer. na minha opinião você pode odiar coentro, tofu, mc donalds, mas odiar criança, gato, cachorro, odiar qualquer pessoa diz mais sobre você mesmo do que sobre o outro. se antes de ser mãe eu  já não tinha razões para odiar crianças, hoje como uma eu vejo que não tenho mesmo!

sigamos. outra questão colocada foi …Por que tanta pressão? A resposta, claro, é fornecer um número ainda maior de miniconsumidores que não vão se cansar nunca do capitalismo, que precisa vender sempre mais. É em nome das crianças que os pais compram carros, máquinas de lavar, casas e gadgets.” vivemos em uma sociedade extremamente consumista, é verdade. mas, conhece aquela máxima né: exemplo arrasta?! pois, se você só pensa em comprar, se você mostra para seu filho que ter é mais importante do que ser, provavelmente seu filho também pensará (e agirá) assim, não se cansando nunca do capitalismo e do consumo excessivo. legal mostrar pro nossos filhos que as coisas tem um valor além daquele da etiqueta, que aquela roupa, aquele livro, aquele alimento vem de tal lugar, foi produzido sem trabalho escravo, sem desperdiçar recursos naturais e humanos, e por isso é preciso cuidar bem daquilo. nem sempre é possível, comprar coisas ética e politicamente corretas, eu sei. mas não é necessário gastar os tufos dos mufurufos pra ensinar pra uma criança o valor das coisas.

outra coisa que sozinha daria um outro livro Eu mesma hoje sou perfeitamente ciente de como estava envolvida – envolvida demais – e como me tornei o estereótipo da “mãe judia” (superprotetora, intromissiva e controladora). E isso produz crianças hipercontroladas e hiperobservadas. Tanto que eu penso em como eles conseguem, de fato, virar adultos.” o papel dela como mãe é um problema dela (e dos filhos dela), mas não existe apenas um modelo de maternidade. inclusive, este modelo por ela citado, não é o modelo que eu quero pra mim. sabe, a gente vive num mundo onde as pessoas parecem saber mais do que nós sobre nossos filhos. só pode brinquedo waldorf, só pode quarto montessori, só pode criação com apego, ou pode deixar na frente da tv sim, pode danoninho sim, pode cesárea eletiva sim e etc (sim, eu exagerei nos extremos propositalmente). gente, a categoria boas mães é muito ampla, e contempla na minha opinião, quem está atrás de informação, quem se dispõe a pensar e fazer diferente se o que se faz não traz resultados. e sobretudo se o que se faz é confortável pra quem faz e para todos os envolvidos. a busca do equilibrio é uma constante na vida, porque não seria também na maternidade?

calma que eu estou acabando. outro ponto que não poderia faltar é o dinheiro Criar meus filhos não apenas me deixou exausta, mas também me levou à falência. Em breve, minha filha vai terminar seus estudos. Vou dar uma festa. Finalmente não ter mais que bancá-la. Que alívio!”  não só acredito como concordo com a exaustão. obviamente não temos a mesma liberdade financeira de antes da chegada dos filhos; todo nosso planejamento financeiro é  baseado majoritariamente pensando neles. e eu não vejo nisso um problema. e sinceramente, não acho que meus filhos me levarão à falência. sei que os gastos acompanham o crescimento dele, mas até agora estamos longe da falência, e não a prevejo mesmo num futuro distante. somos de dar o passo do tamanho das nossas pernas. o que está além, ou  se espera ou não se dá.

e por fim Crianças, bem-vindas e boa sorte na entrada nesse mundo podre que seus pais, que te amam muitíssimo, te deixaram. Eles passaram tanto tempo cuidando de vocês que não tiveram tempo de transformar o mundo. Eles desistiram, penduraram as chuteiras. ‘A criança é o que há de mais importante….'” cuidar dos meus filhos, da maneira que eu concebo o cuidar, é para mim um fator transformador. criar cidadãos conscientes de si, das pessoas e do mundo ao seu redor é uma tarefa e tanto. tarefa essa que tomo com satisfação. eu sei por experiência própria que nem tudo são flores, mas eu digo que, para mim, mesmo com os percalços, vale a pena. e eu não pendurei as chuteiras não, porque tomar esta tarefa para si significa não desistir. e sei de muito mais gente que também não pendurou. e  também vejo os meus, os seus, os nossos filhos como o que há de mais importante na construção desse novo mundo (uhul pique nova era).

olha, como eu disse eu não li o livro e suas 40 razões para não ter filhos, e por isso mesmo não vou ficar  aqui criticando a autora. até mesmo porque, na minha opinião, você não precisa de muitas ou poucas razões para ter ou não ter filhos; bastam que sejam as suas e que você fique satisfeitx com elas.

o que eu gostaria de criticar, na verdade, é a obrigatoriedade velada na nossa sociedade da mulher tornar-se mãe. não estou dizendo que o foi o caso com madame maier, mas ao ler os comentários eu pude ver que muitas mulheres se sentiram representadas e validadas em suas convicções, como que dizendo “tá vendo, eu não preciso ser mãe”. não, colega, você não precisa ser nada que você não queira. inclusive mãe.

algumas pessoas também citaram o fato dos filhos crescerem e ignorarem os pais. e me pergunto: o que seria ignorar os pais? eu, particularmente, vejo meus filhos como seres autônomos e independentes de mim;  a cada dia essa independência torna-se maior, e eu acho natural, desejável e saudável. a relação pais e filhos é um construto diário e constante. eu amo e respeito meus filhos não apenas porque eles são meus filhos (e vice-versa), mas porque diariamente construimos uma relação baseada no diálogo, no amor e no respeito. acho difícil ignorar e ser ignorado nessas bases. se é fácil? claro que não! mas eu escolho isso para mim.

nietzshe uma vez escreveu: quem quer por você? e esta pergunta é tão impactante para tudo nessa vida, que chega a me paralisar, às vezes. quem quer que você seja mãe? você ou seu/sua companheiro(a)? seus pais? a sociedade? quem não quer ter filhos? você? os livros? seu/sua companheiro(a)? eu sei que nossas escolhas não são 100% conscientes, mas quanto mais conscientes fizermos nossas escolhas, mas chance de agradarmos a nós mesmos teremos.

uma maternidade ressentida ( a saber, uma mulher arrepender-se de ter se tornado mãe) é totalmente legítima e não deve ser tratada como tabu, especialmente numa sociedade que espera que as mães amem seus filhos acima de tudo, e que abram mão de suas próprias vidas por eles. você não acha interessante que muitas mulheres tenham usado os comentários (sob uma identidade irreconhecível) para dizer que que se arrependiam de serem mães?  eu não só acho interessante como triste, porque uma mulher não pode dizer isso que imediatamente é julgada. e acredito que se fosse mais fácil admitir isso sem olhares tortos, a relação delas próprias com a maternidade real poderia dar um passo qualitativo.

eu só me tornei mãe porque o componente filhos entrou na minha vida, mas eu não deixei as outras partes pelo caminho ao tornar-me mãe, eu apenas acrescentei mais uma. parece simples essa matemática, mas não foi e não tem sido simples. porém, acredito que falar sem dramas das dificuldades, e dos sentimentos menos nobres, torna o meu maternar mais consciente,  menos rígido, menos culposo, mais leve e mais amoroso. comigo mesma e com meus filhos.

ideal mesmo seria que todos os filhos fossem desejados e amados e respeitados e educados para um mundo tal e qual, nós adultos, desejamos pra nós no agora. e não apenas vistos como serezinhos hiperprotegidos, mimados, predadores do planeta terra, consumistas em potencial e herdeiros de um mundo fadado ao fracasso. talvez seja idealismo demais. talvez… mas se eu fosse escrever um livro eu teria mais de 40 razões para dar do porquê acreditar nesse ideal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

aniversário, Da poesia da vida, mudança, mundo afora

sobre o mês de junho e um poema por semana #2

mas meu deus do céu, não! esse meu projeto está mais para um poema por ano do que por semana, não é não!? mas vamos que vamos, agora retomo com todo prazer aquilo a que me propus.

bom, tudo sempre tem um motivo, e o motivo que fez ausentar-me daqui foi uma mudança de casa. mudança essa que começou no mês de maio e que concluiu-se  neste mês de junho.

a casa escolhida deu mais, muito mais trabalho do que o esperado. ela nos consumiu bons fins-de-semana em família, e muitos outros dias meus apenas. eu, quando entrei na casa, de cara vi que ela daria trabalho, mas eu vi mais do que trabalho ali: eu vi um potencial lar. e me apaixonei por ela. mas como joão gilberto já cantou: o coração tem razões que a própria razão desconhece.

e assim, baseando-me pura e simplesmente no meu coração, escolhi essa casa em que agora habitamos e que já muito amamos. apesar do trabalho que ela ainda nos dá, veja só.

img_20160602_151809.jpg
amor à primeira pisada

mas o tempo passou, o que parecia nunca se ajeitar, deu-se um jeito ou ajeitou-se. nossa casa está com cheiro de casa, cara de casa, vida de casa. e anda difícil mesmo é sair de casa.

img_20160624_110204.jpg
e ando encantada com cada novo canto. plus eu tenho duas roseiras para chamar de minhas

mas o mais legal para mim é que eu completei primaveras na nova casa! e nesse aniversário eu tive muito para agradecer. e só de me lembrar que eu ficava triste nos meus aniversários… haha. o bom de amadurecer, eu acho, é que a gente vai cada vez mais dando valor ao que realmente importa para nós. e a gente vai descobrindo cada vez mais, o que realmente importa.

pois bem, completei anos na casa nova. e fiquei muito feliz pelo ano que se passou e mais ainda pelo novo ano que tenho pela frente!

img_20160624_110122.jpg
moi: the birthday girl. repara só na toalha amassada tirada da caixa de mudança especialmente para a ocasião (mentira, foi a primeira que achei na caixa)

e esse meu junho tem sido muito especial. eu amo o mês de junho! faço anos, é o mês de festa junina (aliás, para o ano que vem já prevejo uma baita festa junina por aqui), mês dos festejos que mais gosto! e porque é verão por aqui, e até sol e calor eu tive no meu aniversário (abafa o fato de ter chovido os sete dias posteriores a ele).

junho só não foi melhor porque hoje recebemos a notícia de que o uk resolveu sair da união européia. só lamento que no mundo de hoje as pessoas insistam em reforçar fronteiras que nos separam, e insistam com seus discursos conservadores, com argumentos sofistas e pouco agregadores. mas what happened is happened.

because it’s june june june! hahaha amo

mas apesar de toda alegria, toda mudança e todo trabalho dela resultado, aniversário é tempo de reflexão para mim. tempo de olhar com carinho para mim mesma, de reorganizar algumas coisas, de realinhar outras, de traçar metas, de ver o que tem funcionado, o que precisa mudar e o que precisa ficar. e nesse espírito de reflexão, o poema que me vem à mente, e que me caiu como uma luva foi um poema tão, mais tão especial e tão belo, que às vezes, chega a me faltar o ar ao recitá-lo: degraus (stufen) de hermann hesse.

e esse ano ao relê-lo não pude conter as lágrimas. diz tanto de mim e diz tanto da vida. e nesse espírito de novos começos (casa, ano…) eu me rendo aos seus encantos, mas sempre disposta a recomeçar se preciso for, porque “o apelo da vida nunca tem fim”.

e não me atrevo a dizer mais nada, para preservar toda beleza do poema de hesse. ei-lo aqui:

Degraus

Assim como toda flor perde o viço e como toda juventude

Cede à idade, floresce cada degrau da vida, 

Floresce toda sabedoria também e toda virtude
A seu tempo, e não pode durar para sempre.
O coração deve, em cada chamado da vida,
Estar pronto para a despedida e para o recomeço,
Para se dar, na valentia e sem qualquer
Luto, a outras novas ligações.
E em todo começo reside um encanto próprio
Que nos protege e nos ajuda a viver.

Transponhamos serenos espaço a espaço
E a nenhum nos prendamos qual a uma pátria.
O espírito do mundo não quer nos atar nem comprimir,
Ele quer elevar-nos degrau a degrau, alastrar-nos.
Mal nos habituamos a ser íntimos
De um ambiente, ameaça o relaxar-se.
Só quem está pronto para partir e viajar
Poderá eludir o hábito paralisante.

Acaso a hora da morte ainda nos envie
Ao encontro de novos espaços,
Jamais há de cessar o clamor da vida por nós…
Eia, pois, coração, despede-te e convalesce!

Hermann Hesse (1877-1962), Alemanha
in “O jogo das contas de vidro”, trad. de Thessalonian (transtrazendo.blogspot.com)

Stufen

Wie jede Blüte welkt und jede Jugend
Dem Alter weicht, blüht jede Lebensstufe,
Blüht jede Weisheit auch und jede Tugend
Zu ihrer Zeit und darf nicht ewig dauern.
Es muß das Herz bei jedem Lebensrufe
Bereit zum Abschied sein und Neubeginne,
Um sich in Tapferkeit und ohne Trauern
In andre, neue Bindungen zu geben.
Und jedem Anfang wohnt ein Zauber inne,
Der uns beschützt und der uns hilft, zu leben.

Wir sollen heiter Raum um Raum durchschreiten,
An keinem wie an einer Heimat hängen,
Der Weltgeist will nicht fesseln uns und engen,
Er will uns Stuf’ um Stufe heben, weiten.
Kaum sind wir heimisch einem Lebenskreise
Und traulich eingewohnt, so droht Erschlaffen,
Nur wer bereit zu Aufbruch ist und Reise,
Mag lähmender Gewöhnung sich entraffen.

Es wird vielleicht auch noch die Todesstunde
Uns neuen Räumen jung entgegen senden,
Des Lebens Ruf an uns wird niemals enden…
Wohlan denn, Herz, nimm Abschied und gesunde!

Da poesia da vida, mudança, mundo afora, naturebices, palavras soltas ao vento

das memórias afetivas e um poema por semana

memória é um trem doido mesmo. do nada, num dia qualquer, em circunstâncias despretensiosas você passa por uma situação que te evoca lembranças que parecem até ser de outra vida, de tão longínquas e desconectadas do presente que são.

e os gatilhos que despertam lembranças são tão inesperados e tão particulares, que eu sempre me surpreendo com minha própria memória.

hoje eu estava num café esperando pelo meu expresso. e do nada, o cheiro do chocolate quente do meu predecessor na fila chegou a mim. as repetidas lufadas pareciam jogar na minha cara o quão gostoso aquele chocolate quente era e o quão desinteressante meu café seria perto daquela exuberância cremosa.

por segundos eu me arrependi do fundo da minha alma por não tomar mais leite, e muito menos leite com achocolatados. me arrependi por não ter pedido um golinho do chocolate quente pro meu colega de fila. 

por segundos pensei no quanto o tempo passa e no quanto os gostos mudam. seja por necessidade, seja porque se quis que mudassem.

lembrei, já com meu café em mãos, da minha infância regada a leite de vaca com toddy ou nescau.  e também me lembrei do quanto o leite com chocolate  parecia infinitamente mais gostoso na casa da tia zeza, ou na casa da vó chica ( a grama do vizinho,  sabe como é).

e me peguei pensando no quão longe dessa infância eu estou. não só pelos anos passados, mas muito mais pela distância geográfica em que me encontro de todo meu passado.

faz pouco tempo que me mudei para inglaterra. mas faz muito tempo que estou fora “de casa”.  eu sempre soube que não ficaria  naquele lugar que nasci e cresci.  tudo muda, mesmo que por lá ficasse, nada seria igual à essa infância da minha memória.

às vezes, só o que me faz falta é me saber parte de algo. às vezes, o que me faz falta são as pessoas. às vezes, todas as coisas me fazem falta. mas aí eu me lembro do fernando pessoa que deu voz a ricardo reis quando disse “para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui…”. não exagera a falta, porque a vida é assim mesmo: ora se tem, ora não tem.  não exclui a responsabilidade das escolhas: ganhar e perder são dois lados da mesma moeda.

e ele continua dizendo: …”Sê todo em cada coisa. Põe quanto és No mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta vive”. e aí me volto inteira pro presente, sorvo meu café muito bem tirado, me ponho inteira novamente em todos os sentidos, levanto para resolver minhas coisas com a sensação de que a vida é exatamente tão gostosa quanto àquela vida do leite com nescau.  mas volto pra casa ainda com a memória olfativa do chocolate quente.

resolvo fazer um para mim. com leite de amêndoas e cacau puro. porque apesar das memórias serem as mesmas (graças a deus), os paladares já são outros. devo dizer graças a deus também? talvez deva.

 

img_20160519_133555.jpg
meu chocolate quente não ficou atrás do chocolate do costa 🙂

***********************************************************************

mais dia menos dia vou escrever o porquê de ter mudado o nome do blog, o tanto que gosto de poesia e um pouco mais. por enquanto, quero apenas “estrear” minha ideia/vontade de deixar aqui alguns dos poemas que mais gosto.  a ideia original era deixar um poema por dia, mas não sou disciplinada a ponto de passar todos os dias no blog. um por semana, por ora, está de bom tamanho, e cabe bem na minha lista de afazeres (e espero poder cumprir).

o poema da semana não poderia ser outro que não o  acima citado. espero que goste tanto quanto eu (embora eu tenha enormes desconfianças de gente que não gosta de fernando pessoa. nem de poesia 😉 ).

 

Põe quanto És no Mínimo que Fazes

Para ser grande, sê inteiro: nada
          Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
          No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda
          Brilha, porque alta vive

Ricardo Reis, in “Odes”
Heterónimo de Fernando Pessoa

mambembe, mundo afora

a mudança (resumão)

como mais de meia dúzia de pessoas me mandaram e-mail perguntando sobre nossa mudança, e como eu percebi que escrevia vários e-mails semelhantes para cada uma delas, resolvi responder de uma vez só e em forma de post, pra quem perguntou e pra quem não perguntou também. mas isso não significa que eu não vá responder cada uma um dia desses. tenham fé!

bom, hoje faz dez dias que eu e tomás chegamos na inglaterra. joão já estava aqui trabalhando e arrumando, sobretudo, a casa para nossa chegada.

estamos num apartamento provisório e completamente mobiliado. embora não tenha morrido de amores por ele, penso que foi o melhor, por ora. com o básico assegurado, teremos calma para escolher a casa que será nosso lar por um bom tempo. nada melhor do que ver com os olhos e com o coração os cantos da cidade.

nosso tempo nesse apartamento não será nem tão curto assim (5 meses), mas era o que tínhamos disponível no momento. e convenhamos, nada que uma ida à ikea com suas velas e tapetes e plantas e panos de prato, não resolva. minha urgência, na verdade, é transformar um apê cafona num lar com cheiro de bolo, com cheiro da gente, sabe?

as tchentas caixas com nossas coisas estão num guarda móveis ainda, uma vez que elas não caberiam de forma alguma no nosso diminuto apartamento. algumas coisas fazem falta, mas nessa vida mambembe a gente aprende a desapegar (por um tempo, ou pra sempre) e mais ainda, a se virar com o que tem em mãos.

tomás me surpreendeu e tem me surpreendido enormemente. embora já tenhamos tido alguns stresses, no geral, ela está muito bem mesmo:animado, empolgado, visivelmente feliz. à princípio, meu coração de mãe não quis que ele chegasse e fosse direto para uma escola, com aulas já começadas em setembro, sem saber a língua. decidimos, até mesmo com base na nossa malfadada experiência na alemanha, que conheceríamos as possíveis escolas, conversaríamos e então tomaríamos uma decisão.

no quesito escola estamos numa corrida contra o tempo. vamos inscrevê-lo, já fora do prazo, para o próximo ano letivo que começará em setembro. a escolha da escola está diretamente relacionada à escolha do bairro, uma vez que a inscrição só é feita para as escolas do bairro em que se mora. por isso o conhecer primeiro, por isso o conversar e explicar. tenho estado estranhamente calma quando penso sobre isso, vai ver é alguma coisa que tem no chá de camomila inglês, que aliás, tenho tomado aos litros.

a ideia era eu fazer um homeschooling com o tomás até setembro. já vi que não vai rolar. não tanto por uma necessidade dele, mas muito mais por uma necessidade minha. temos visto (e gostado) a nursery da universidade, que é mais flexível, e que aceita crianças de cinco anos. à princípio duas vezes por semana, mas não excluo a possibilidade de aumentar para uma vez mais.

esses primeiros dias foram como todos os primeiros dias num novo lugar: burocracias, familiarização das rotas, dos lugares, mapeamento de supermercados, playgrounds…

nosso alarme de incêndio já disparou sem termos colocado fogo na casa. aparentemente, nosso vizinho o fez. quase morremos de susto, tomás desatou a chorar, pra depois desatar a rir e a vibrar com a chegada dos bombeiros, liguei desesperada para o meu marido, que me mandou sair imediatamente de casa, coisa que fizemos com trajes pouco apropriados para o frio… ou seja, nossos primeiros dias por aqui foram perfeitamente normais.

ainda não conseguimos passear, e tudo parece estranhamente novo, assim como um sapato novíssimo, que por mais que seja encantador e belíssimo, precisa de um tempo para lacear e se adaptar aos pés.

dez dias não são nada, eu sei. mas a cada dia temos a convicção de que estamos no lugar certo, na hora certa. e a cada dia eu tenho certeza de que com o joão e com o tomás eu iria até pra marte, e começaria do zero tudo outra vez.

pronto! nosso 2016 oficialmente começou.

 

Do cotidiano, mambembe, mudança, mundo afora

2015, beijos não me liga!

Sabe, gratidão é um sentimento interessante. Ou você sente ou você não sente. Não dá pra ser meio grato na vida pelas coisas e pelas pessoas.

Tem gente que é grata sem fazer esforço.  Tem gente que aprende a ser grata. E de fato, acredito eu, gratidão é um exercício diário. Pelo menos pra mim, que não sou Mestre zazen nessa vida.

Ser grato quando tudo está top é  fácil,  diz muita gente. Quero ver agradecer quando a vida vai as merdas! Completam esses mesmos incrédulos.

Eu já discordo sabe, eu acho que gratidão vem muito de mãos dadas com a felicidade: independem das circunstâncias para ser e ter. É mais um estado de espírito, uma resolução interna, um postura de vida, enfim.

Eu desconfio seriamente de quem vive dizendo que ah! tudo bem, mas ser feliz em Paris (em Nova York, em Berlin…) É bem mais fácil.  Eu acho que felicidade e gratidão a gente carrega com a gente, independente do lugar.

OK, OK eu não quero ser simplista. Esse papo rende muitas horas e muitas cervejas pra gente chegar talvez a conclusão de que, a pessoa tendo o basicão das necessidades físicas supridas (casa, comida, emprego, roupa, amores, biritas ocasionais, amigos…) ela pode ser feliz e grata pela vida. Ela pode, mas depende dela querer.

Tem horas que a gente tem mesmo que pedir um tempo, reclamar (mesmo sabendo que não vai resolver, mas pelo menos vai aliviar um pouco), tem horas que a gente pede pra sair, tem horas que a gente sucumbe mesmo ao pessimismo, à desilusão.

Meu 2015 foi assim: cheio de altos e baixos. E apesar de racionalmente me manter na meta, não desistir  (nem dava), eu escolhi ser grata. Não aquela gratidão Luz e flor yoga suco verde do instagram ( embora não veja problemas nisso também ). Mas a minha particular e intransferível  gratidão: Pela minha vida, ora capenga, ora funcionando com eficiência. Pela minha vida como ela é, pelas pessoas que dela fazem parte, por aquelas que passaram para ensinar-me, pelo meu filho sempre tão disposto a recomeçar,  pelo meu marido sempre tão respeitador dos meus tempos.

Talvez gratidão seja uma, talvez gratidão sejam muitas coisas, eu sei que em 2015 eu escolhi ser grata, eu aprendi a ser grata.

Se valeu a pena?  Não  sei. Só  sei que eu passaria pelas mesmas coisas que passei, com ou sem ela. Mas a gratidão nestes casos, neste ano que passou me ajudou a aceitar com mais maturidade, sem grandes dramas tudo que despencou na minha cabeça.

Pensando bem, valeu sim.

Estamos no Brasil agora, celebrando com a família.  E embora eu tenha escolhido a gratidão como caminho, um caminho, eu só quero dizer neste último dia do ano de 2015, que sinto-me grata por esse ano estar no fim. Porque não sou tão evoluída assim, e não é porque eu entendi que precisava passar por tudo que passei, e passei agradecendo por ter forças e apoio, que eu vou dizer que foi um ano bom. Foi nada. Pelo menos no que diz respeito ao bom no sentido champanhe caviar Paris é uma festa uhul 2015 irado. Não,  Foi bom no sentido : tá ruim, mas tá  bom. Compreende?

Não faço promessas mirabolantes para 2016. Nem tenho grandes metas. Já me basta,  por ora, saber que será tudo novo: país novo, casa nova, nova língua, um novo dia a dia para descobrir e por fazer.

Entro com fé  (que essa não pode faltar e que não costuma falhar), com alegria e tá dá. .. com gratidão!

Desejo  à  você que lê essas linhas um feliz e maravilhoso 2016. E se você quiser, tente agradecer mais (lembrando que não somos partidários da gratidão Polyana).

Escrevi e não li, grata pela compreensão!

 

 

 

 

 

Alemanha, mudança, mundo afora

de sina itinerante

segundo o dicionário houaiss da língua portuguesa, o adjetivo itinerante significa também, que ou aquele que transita, que se desloca, que viaja.

o adjetivo se aplica com maestria no nosso caso.

eu já perdi as contas das vezes que nos mudamos. desde que estou com o joão colecionamos 11 casas em 13 anos juntos, sob o mesmo teto.

se eu gosto de mudar de casa? sim e não. não, eu não gosto da bagunça, do encaixotamento, das inúmeras burocracias e probleminhas decorrentes de uma mudança. sim, eu adoro uma casa nova, um lugar novo, uma vida nova.

toda mudança me traz aquela sensação de zerar a vida. puxa, um lugar novinho para (re)começar. experimentar novos caminhos, descobrir novas pessoas, novos supermercados, novas praças, novos parques, novos cheiros, novos sabores, novas regras, novas línguas, novas formas de pensar…

mas também a sensação de zerar a vida. só que o lado b de zerar  a vida. puxa, ter que descobrir supermercados, praças, parques, familiriazar-se com a cidade, os caminhos, as pessoas, outra língua, outras regras, outras formas de pensar, outros cheiros, outros sabores…

tem hora que cansa? tem. mas tem hora que cansa também ficar no mesmo lugar. veja, nem sempre o mesmo lugar significa ruim. pelo contrário, nunca ficamos em um lugar sem querer ficar nele.

mas eu não sei o que acontece com a gente. eu e o joão temos um comichão que se retroalimenta. quando um está sossegado o outro vai lá cutucar.

chegou um dia em que um olhou pro outro e disse: nossa a alemanha é massa, mas não é nosso lugar no mundo. vamos mudar? e não é que da teoria partimos para prática?!

e toda vez, toda vez que eu começo a empacotar as coisas eu penso: onde estávamos com a cabeça? e toda vez, toda vez que a gente começa a procurar um novo lar a gente pensa: onde estávamos com a cabeça? e toda vez, toda vez que a gente chega num novo lugar a gente pensa: onde estávamos com a cabeça.? e sobretudo, toda vez, toda vez que o tomás fica mais de um mês perdido na nova realidade e nos levando às raias da loucura, a gente se pergunta: onde estávamos com a cabeça, minha nossa senhora da paciência?

mas toda vez, toda vez que passado o tsunami de novidades, quando a vida atinge a velocidade de cruzeiro, quando nos vemos no novo, pensamos: que bom que fizemos!

por essas e por outras é que não me preocupo com o futuro. todas as preocupações com o tempo são dissolvidas. eu me preocupo em não saber viver o presente.

porque essa transição, essa fase de não estar nem cá nem lá, essa fase em que não vale a pena renovar contrato disso ou daquilo, em que você não pode se comprometer com muita coisa, porque sabe que não vai mais estar ali se precisarem de você… isso pra mim é o mais difícil.

e me é difícil, porque eu acabo me esquecendo das coisas importantes e que fazem a vida num determinado lugar mais saborosas, por causa desse pensamento do já não vale mais a pena!

viver com a cabeça no aqui e no agora. viver pensando no que virá, mas sem estar no que está por vir. este é o meu desafio.

é o tal negócio que o chico e o edu lobo cantaram e eu me sinto completamente representada: …”a arte deixar algum lugar quando não se tem pra onde ir”…

na prática existe um lugar, uma casa, mas não existem relações, dia a dia, rotinas, rostos e lugares familiares…

mas não reclamo da vida não. deus me livre reclamar da vida que eu mesma escolhi pra mim, que escolhemos pra nós.

algo me diz que desta vez será por muito mais tempo. espero, de coração, que este algo esteja coberto de razão.

enquanto o novo não chega, vou vivendo o presente. que é o que tenho, que é o que me faz ter fé no futuro.

e quem advinhar pra onde vamos ganha um postal :-)!!!!

Alemanha, mudança, mundo afora

aliar o discurso à prática

ou da difícil arte de encontrar o equilíbrio

eu sempre gostei de mudanças. de todos os tipos: mudar o corte de cabelo, a mobília da sala, mudar de casa, de cidade, de país, mudar de opinião… talvez por gostar tanto de mudanças é que eu tenha encarado a maior mudança da minha vida, que claro, foi a maternidade. mas hoje não é sobre isso que quero falar.

há tempos já, que eu (nós aqui em casa, no caso) estou numa pegada mais consciente quando o assunto é consumo. pelo menos eu achava que estava.

a maneira como eu passei a consumir foi uma grande mudança na minha vida. ao invés de ter dez cremes para o rosto, eu passei a comprar um único, cuja origem é a mais natural possível, e que na sua produção não sejam, nem pessoas,nem o meio ambiente, prejudicados. do creme passou para todas as outras coisas: roupas, gêneros alimentícios, shampoos, sabonetes…

por serem mais caros, verdade seja dita, eu pasei a pensar muito mais antes de investir.

porque um mundo onde crianças um pouco maiores que meu filho colhem algodão pra eu comprar roupa baratinha baratinha aqui na alemanha, não pode ser considerado justo. porque um mundo onde gente dorme nas fábricas para produzir produtos baratos que “pedem” para serem substituídos a cada seis meses, não pode dar certo.

fácil? ai se fosse. tem minha consciência gritando pelas desigualdades de um lado. e tem meu bolso gritando pelas economias,de outro.

e tem meu filho que cresceu mais do que abobrinha no último ano, com calças batendo nas canelas, e blusas mais mostrando do que cobrindo o umbigo. sem contar as esfregações de roupa parquinhos da vida afora. cara, moleque acaba com as roupas. como fazer? se eu fosse investir somente em roupas produzidas com algodão orgânico e, comprovadamente, sem mão de obra escrava, eu estava perdida, falida,fudida.

acontece que nós mudamos de casa no começo de janeiro (eu já falei que nossa sina é mambembe). e puta que pariu, da onde foi que surgiu taaaaaaaanta coisa. como assim? você não estava numa pegada de consumo consciente, darling?

não sei onde estava toda essa minha consciência, porque olha, eu tenho coisa pra caraleo. triste constatar isso, sabe? por um lado, vem um sentimento enorme de gratidão por ser tão afortunada e ter muito mais do que preciso, do que precisamos. por outro, vem uma certa angústia de ter comprado muito mais do que precisava, precisávamos.

eu sei que é tarde (pero no mucho) para fazer promessas de ano novo, mas eu realmente quero nesse 2015 comprar apenas o necessário. para mim, para o tom. para o o joão eu nem falo, porque casei-me com um franciscano, que nunca precisa de nada, tudo sempre está bom (benzadeus).

quem sabe eu coloque em prática um desejo antigo e aprenda a costurar? quem sabe também, eu passe a fazer mais coisas no estilo diy para minha casa? quem sabe eu ponha à prova meus talentos manuais? quem sabe, né?

o que eu sei é que nesse ritmo não dá mais pra continuar. não dá mais pra mim, pra minha família, nem pra esse mundo beirando ao colapso social, material, ecológico. até mesmo porque, no ritmo que mudamos de casa, de vida, não dá para ajuntar e acumular tanta coisa, por vezes, inútil. prefiro acumular memórias, experiências, amizades, aprendizados…

e que caia um raio e me parta ao meio se eu comprar um grampo que seja, sem necessidade.

lembrando que livros são sempre necessários e que, pra onde quer que formos, sempre daremos jeito de levar.  embora a gente sempre se arrependa. mas é só por um momento.

que eu termine esse ano que mal começou com menos tralhas. em todos os sentidos.

às vezes eu queria se como caracol, que vai com a casa nas costas.
às vezes eu queria ser como caracol, que vai com a casa nas costas.
image
pra ele tudo é festa

image
image